Livro VS Filme: A Culpa é Das Estrelas VS The Fault In Ours Stars

Olá! Sim, mil desculpas por desaparecer. Mas eu tenho motivos nobres: estou lendo O Senhor dos Anéis: As Duas Torres DESDE o lançamento da útima resenha. Bem, sabem como é, Tolkien deve ser ingerido lentamente, degustando totalmente… e eu estava super decepcionado por não ter nada a postar, até que o filme de ACÉDE lançou e CABUM!, um post! Prometo, P-R-O-M-E-T-O, que vou ler um livro pequeno para acabar rápido e trazer uma resenha fresquinha para vocês.

Aliás, eu estou morrendo de saudades de vocês.

acede x tfios

 

A Culpa É Das Estrelas é conhecido como o livro mais vendido entre os anos de 2012-2013. Sim, dois anos CONSECUTIVOS em PRIMEIRO LUGAR na lista dos mais vendidos. Ainda está na lista, mas já perdeu o primeiro lugar, até porque todo mundo já tem um. Não vou me alongar na sinopse, pois todos já devem saber.

A primeira coisa que eu gostaria de dizer, é: com certeza, junto com Catching Fire, uma das melhores adaptações cinematográficas de livros que eu já vi. O filme está uma coisa linda! Ele realmente conseguiu passar a mensagem do filme. Os atores realmente souberam nascer em seus personagens.

Primeiro que a adaptação, a imaginação do autor, o cenário e o figurinos estão incrível. Como a Hazel não é egocêntrica nem narcisista no livro, não havia muita descrição de como são os gostos deles (pois mais que dê para imaginar no geral), e o filme, juntando tudo, conseguiu criar tudo que a Hazel é. Várias são as cenas que ela aparece com a camiseta do Pink Floyd, existe um pôster do Imagine Dragons no quarto dela (eu realmente fiquei triste quando eles não participaram da soundtrack. Eles são tipo o meu The Hectic Glow), é possível ver a série Harry Potter na mesa de cabeceira delae os livros da série Jogos Vorazes (na prateleira). O diretor conseguiu fundir tudo isso e criar o que eu sempre achei que um diretor devesse fazer em um filme: não mostrar como o personagem é apenas por suas ações, mas sim por todo o ambiente da cena. Claro que o diretor teve uma ajudinha do John Green (que super ajudou no filme. Para vocês verem o poder dele, ele tirou uma cena em que a Hazel via um cometa)

O figurino, em si, ficou bem fiel ao do livro. Sim, minha gente, a Hazel está linda e maravilhosa calçando seus Converse All Star Chuck Taylor’s.

Agora, vamos ao ponto em que mais gente tinha medo: será que a Shailene Woodley e o Ansel Elgort serão bons Hazel e Augustus?

A resposta: SIM!

A Shai uma Hazel o filme inteiro. Ela foi incrível como Hazel, eu realmente me convenci que a Hazel tinha virado uma pessoa!

Quanto ao Ansel, digo o mesmo: ele foi o Gus perfeito, do começo ao fim (tapa na cara de quem queria o Joshua, aquele modelo). Ele poderia ter ficado melhor em algumas cenas, mas, tirando isso, a Augusticidade dele está impecável.

O Nat Wolff como Isaac tá incrível também. Desde o momento em que eu vi ele eu percebi que ele seria o Isaac perfeito. E isso so me deixou mais ansioso para Cidades de Papel, que vai ganhar final em 2016 (data provável)

Agora, vamos lá: o prêmio de atuação do filme vai para, para, para, rufem os tambores!, pois ela mereceu completamente o seu destaque em uma atuação digna e que eu lhe devo todo o respeito!

A MÃE DA HAZEL!

Sim, a atuação dela estava incrível. A mãe dela está exatamente como eu a imaginei. Ela É simplesmente a mãe da Hazel, entendam. O papel de destaque ficou para ela, ela roubava a cena sempre que aparecia.

“Mas e o Peter van Houten?” Sim, eu também adorei a atuação dele. Sim, eu realmente fiquei com raiva dele, com dó dele. Digna, também.

E, claro, a cena de apresentação do líder do grupo de apoio é engraçadíssima.

Para terminar, eles mudaram o que tiveram de mudar, mas sem tirar a essência do filme, deixando tudo que o existe de importante para a história. E quanto ao final, bem… digamos que ele faz mais sentido do que o final do livro. E sim, leve lencinhos. O filme está de arrasar corações.

– Você viu dublado?

– Sim.

– Na dublagem está “Okay? Okay”?

– Não vou dizer.

 

É isso, até a próxima! E quase queira ler alguns spoiler do filme, clique em “Leia Mais” :3

 

 

 

SPOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOILER

-> A morte do Gus é sim emocionante

-> A única parte em que o figurino da Hazel me decepcionou foi que na casa do van Houten ela não usou o Chuck Taylor’s.

-> Em uma cena em que o Gus fala sobre a morte, passa uma mulher totalmente vestida de roxo. E na linguagem de cores em filmes, um personagem com cor roxa significa que vai morrer. (Curiosidade via o vídeo sobre ACÉDE do blog Cabine Literária)

-> Sim, ela lê O Preço do Alvorecer. E a Noite dos Troféus Quebrados é muito legal.

-> A melhor fala do filem inteiro: Juntos, nós temos quatro olhos, dois pares e meio de pernas e dois pulmões e meio, e então, se eu fosse a senhora, voltava a sua casa, ou seremos obrigados a a chamar a polícia. (Gus, na cena em que eles destroem o carro da Mônica, pois sim, ela aparece.)

-> Eis o motivo para o final ter mais sentido: porque desde o início ele não deixou as cartas no carro da Hazel?

-> O elogio fúnebre está idêntico, não mudou nada.

SPOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOILER

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s