Resenha: Mundo de Tinta #2 – Sangue de Tinta, de Cornelia Funke

Oi gente! ❤

imagem  Trilogia: Mundo de Tinta #2 – Sangue de Tinta

de Cornelia Funke, 2009

Editora Cia. Das Letras, 560 págs

Sangue de tinta dá seguimento à aventura de Meggie e seu pai, Mo, um encadernador de livros que tem o estranho dom de dar vida às palavras dos livros que lê em voz alta, fazendo seres das histórias surgirem à sua frente como que por mágica. No primeiro volume da trilogia Mundo de Tinta, a língua encantada de Mo traz à vida alguns personagens de um livro chamado Coração de tinta, e acaba mandando para dentro da trama a mãe da menina.Agora, neste segundo episódio, Meggie dá um jeito de entrar ela mesma no mundo fictício de Coração de tinta, onde tem o prazer de encontrar fadas, príncipes e saltimbancos que dançam com o fogo; e o sofrimento de acompanhar as artimanhas de vilões cruéis e sem misericórdia. Uma jornada sombria, repleta de fantasia e aventura.
 Algo legal desse livro para o anterior, é que não há nenhuma ponta solta entre os dois livros. Ou seja, você só continua se você quiser.
 Cornelia Funke é considerado uma das maiores escritoras de literatura infantojuvenil, e não é por menos. Sangue de Tinta é uma ótima continuação para seu ótimo livro antecessor, Coração de Tinta. (resenha que irei refazer) Ela realmente soube mostrar não um mundo diferente, personagens cativantes etc, mas sim como é o processo de criação criativa de um livro. Eu poderia dizer que o personagem principal do livro são as palavras, mas eu estaria mentindo. O personagem principal, na verdade, é a própria Cornelia Funke, pois lemos o livro com a impressão que ela quer passar: que, por mais que a autora tenha na sua cabeça como que a história vai começar e vai acabar, a história se auto cria, cria seus próprios caminhos, seus próprios destinos e seus próprios filhos. Ela toma seu próprio caminho. A história tem vida própria.
 É impossível não falar do livro sem falar sobre a genialidade que ela fez tudo isso. O livro não é enfadonho em momento algum, e a escrita dela é incrível. Ao apresentar Fenoglio, ela cria um personagem para si própria ao livro, para deixar isso mais claro. E o livro também mostra o quanto a história é viva. O autor pode fazer o que quiser com o universo, pois os livros tem dentro de um si um gigantesco universo como o nosso. É um conceito estranho, mas pensar nisso só nos mostra que os livros são realmente portas para fugirmos da nossa realidade, que estão sempre abertas.
 A história se entrelaça divinamente, e sempre está acontecendo algo, e tudo vira uma bola de neve. Ficamos com raiva, choramos, rimos e temos todas as emoções. Esse foi um livro escrito por uma saltimbanco, com certeza. A mitologia criada está linda também. Ela usa e abusa de termos clássicos da fantasia, além de deixar a imaginação dela trabalhar sem descanso.
 A edição é muito bonita, com cada capítulo vindo com um trecho de algum livro, e no final da maioria dos capítulos, uma ilustração, e a capa é bonita, mas poderia ser mais. Não vi nenhum erro de português. Parabéns, Cia das Letras”
 O livro ainda tem um continuação, Morte de Tinta, ao qual estou ansioso para ler.
Até a próxima o/
Anúncios

Um comentário sobre “Resenha: Mundo de Tinta #2 – Sangue de Tinta, de Cornelia Funke

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s