Resenha: A Torre Acima do Véu, de Roberta Spindler

Outro livro nacional que eu comprei lá na Bienal ❤

AVISO \O/ ¹ Sim gente, o layout mudou. Eu estava realmente insatisfeito com o anterior, mas deixa por não achar nada melhor. Então, conheci esse e me apaixonei á primeira vista. Eu ainda vou mudar ele, então, se acostumem.

AVISO \O/² Acabei percebendo que postagens uma vez por semana era muito pouco, e que postar apenas sobre livros era muito pouco também. (claro, eu tenho o Livro VS Filme, mas eu raramente posto sobre…) Semana passada, postei uma “resenha” do HQ Retalhos, gostei bastante e resolvi que estava na hora de eu aumentar o conteúdo do blog. Juntando essas três coisas, irei mudar certa coisinha:

– Antigamente, eu postava obrigatoriamente toda terça, e quando possível, no sábado. Agora não! Agora, toda terça terá conteúdo voltado á livros (Resenhas, Meses Clássicos e Hoje Vamos Conversar Sobre…) e todo sábado terá algo relacionado á filmes (Livro VS Filme), quadrinhos (HQ!, nome que provavelmente vou mudar) e alguma postagem especial (alguma entrevista, book haul, TAG, por exemplo), todo isso apenas para você, leitor, ter mais conteúdo, uhul! \o/ (agora me diga, já posso me formar em publicidade e propaganda? Falei como um verdadeiro publicitário! haha)

Então, caso você estranhe com as mudanças, não se sinta como o Gandalf. Esse é o Aprendiz de Resenhista de sempre 🙂

 

Não precisam ficar que nem o tio Gandalf não, ta?
Não precisam ficar que nem o tio Gandalf não, ta?

 

 

 

 

 

 

images.livrariasaraiva.com

A Torre Acima do Véu

de Roberta Spindler, 2014

Giz Editorial, 270 págs

 Quando uma densa e venenosa névoa surge misteriosamente, pânico e morte tomam conta do planeta. Os poucos sobreviventes se refugiam no topo dos megaedifícios e arranha-céus das megalópoles.

Acuados, vivem uma nova era de privações e sob o ataque constante de seres assustadores, chamados apenas de sombras.

Suas vidas logo passam a depender da proteção da Torre, aquela que controla os armamentos e a tecnologia que restaram.

Cinquenta anos se passam, na megacidade Rio-Aires, Beca vive do resgate de recursos há muito abandonados nos andares inferiores, junto com seu pai e seu irmão. A profissão, perigosa por natureza, torna-se ainda mais letal quando ela participa de uma negociação traiçoeira e se vê cada vez mais envolvida em perigos e segredos que ameaçam muito mais do que sua vida ou a de sua família.

Ao ler a sinopse (e ouvir a explicação da Roberta Spindler, algo que eu tive a sorte de ouvir e fazer me interessar ainda mais na história), você poderá lembrar do  do conto A Névoa (The Mist, filme de 2007), de Stephen King. Mas, pelo que eu percebi, a única coisa que lembra é a névoa e os monstros. Outras pessoas também se interessaram por ser uma “distopia diferente”. E eu concordo.

Essa foi, com toda a certeza, a distopia mais diferente que eu já li. Primeiro, por conta do personagem. Em todas as outras, o personagem principal sempre tem algo que se diferencia pelos outros. Como por exemplo, o fato da Katniss ter se oferecido como tributo nos Jogos Vorazes, algo que era impensável no Distrito 12, ou até mesmo a Tris ser Divergente, na série homônima (Divergente), algo incomum e que causa certo pânico em quem conhece. Aqui isso acontece sim, mas não com a Beca, personagem principal. Acontece algo incomum com ela, e por mais que ela ajuda bastante na situação em que ela e outros personagens se encontrem, esse fator divergente do resto da sociedade não está apenas nas costas delas, e eu achei isso uma grande, e boa, diferença.

Vi aprofundamento em apenas dois personagens, e um pequeno aprofundamento em alguns outros, mas nada que deixasse a leitura sem detalhes nessa parte, pois ela faz isso com maestria nesses certos dois personagens. Vou destacar o Rato, que no começo é o “badboy” da história, mas quando a Roberta começa a se aprofundar nele, vemos o quão incrível é o personagem que ela criou. É extremamente difícil eu me apaixonar perdidamente por personagens, mas até o presente momento, ele é o melhor personagem literária que eu já li. O jeito como ele foi criado foi espetacular, além dele, como personagem, ser incrível. Se você começou o livro agora, já fique avisado de que ele é mais, muito mais, do que apenas o cara que dá em cima da Beca.

Quanto a parte da criação de mundo, a autora fez um bom trabalho. Foi uma sacada muito boa a das megalopes e dos blocos econômicos, pois nessa mundo, as fronteiras nacionais foram quebradas e surgiram as uniões, como a ASIAN e a ULAN, e a criação das megalópoles, como a do cenário da história, Rio (de Janeiro) – (Buenos) Aires. E ela explicou muito bem toda essa nova criação, além de um pouco da política da Torre, que comanda praticamente tudo. Isso é provado no começo do livro, que é praticamente para o leitor já saber como é e não ficar perdido. Admito que ficou cansativo, mas não deixou de ser essencial para o resto do livro.

O psicológico dos personagens não é muito aprofundado ao todo do livro, tirando dois parágrafos que foram especialmente para falar um pouco sobre. Por mais que sejam dois parágrafos muito bem feitos (bem simples, mas muito bem feitos mesmo), senti falta dessa informação no resto do livro.

Roberta Spindler nunca teve medo de admitir que o livro foi baseado em games, e conseguimos ver essa pegada durante o livro inteiro. Eu nunca fui gamer, joguei alguns jogos em meu PlayStation 2 e mais alguns no PC, mas eu consegui imaginar as cenas de tiro e ação do livro como se fossem em um game mesmo. Ou seja, a autora conseguiu recriar muito bem o que ela queria, mas eu não saberia dizer se foi proposital ou não. Principalmente em cenas de ação e tiroteio, que ficaram muito mais nítidas do que as outras. Adorei essa sensação, e isso me deixou mais ansioso para ler mais livros que venham de games, como Assassin’s Creed ou God of War. (não tão famoso, mas tem GoW tem livro sim)

 

É isso gente! Está ai a recomendação de uma ótima distopia totalmente diferente das que fazem sucesso atualmente. É isso, e até sábado \o/

 

WIN_20140830_202108

#SemanaOCicloDaMorte #1

Olá gente, tudo bem?

Como vocês sabem (ou perceberam, tanto faz), este blog não é adepto de mostrar as maiores novidades do mundo da literatura, mas, esta semana, vou trazer um material bem diferenciado para vocês. Como sou adepto da divulgação de nossa linda literatura brasileiro, durante toda essa semana eu estarei trazendo material do livro “O Ciclo da Morte”, da série Santuário da Morte, da autora Thais Lopes!

Então, que tal começarmos? (A semana de lançamento começou no sábado, mas infelizmente eu fiquei o final de semana inteiro ocupado)

 

 

 

  • Biografia da Thais:

  Conheça um pouco mais da autora! 😀Thais Lopes - Autora

Meu nome é Thais Lopes, mineira de 24 anos. Cresci entre livros e histórias fantásticas. Desde criança tomei gosto por criar histórias, e este é um vício que nunca me abandonou. Uma coisa que nunca falta na minha bolsa/mochila? Papel e caneta. Sempre. Outra constante é a música. Sabe aquela pessoa louca no ponto de ônibus cantarolando como se não tivesse ninguém por perto? Oi, muito prazer. O resultado disso tudo é algo que costumo chamar de um pequeno problema de excesso de criatividade. Tenho mais personagens e histórias na cabeça do que acho que vou conseguir passar para o papel, e mundos (e seres) fantásticos são a minha paixão.

 

 

 

  • Sinopse do Livro O Ciclo da Morte:

Ciclo da morte - livro 1

 Simplesmente não tem como alguém querer ler um livro sem ler a sinopse? Leia aqui a sinopse completa do livro!

Um anúncio de aluguel faz com que Lucio, um vampiro caçado pelo primogênito de sua raça, conheça Kelene. Mas ela não é apenas uma jovem humana, da mesma forma que Lucio não é um vampiro qualquer.O que Kelene não imaginava era que Lucio estivesse ligado a uma figura de seu passado, e que uma armadilha antiga estivesse de volta. O que Lucio não esperava era que Kelene fosse a arma que precisavam para destruí-lo, ele que estava além da própria Morte. Quando a verdade começa a vir à tona, não há como fugir. As respostas estão no passado, entre as memórias proibidas de Lucio e os segredos que transformaram Kelene no que ela é. Mas o que alguém pode fazer quando a própria Morte está ameaçada?

 

 

  • Deguste os dois primeiros capítulos!

Não se convenceu de que deve ler o livro? Deguste – gratuitamente – dos dois primeiros capítulos!

http://paginaperdida.com.br/escritos/o-ciclo-da-morte-degustacao/

Não se convenceu? Veja alguns quotes do livro!

Quote 1

 

 

 

 

 

 

 

 

Você sobreviveu Fugindo. Mas eu sobrevivi aprendendo a não recuar.

 

Quote 2

 

 

 

 

 

 

 

É a Morte que traz a evolução, que permite que a velha geração dê lugar para a nova.

 

quote 3

 

 

 

 

 

 

 

 

A Morte deveria estar acima das fraquezas dos mortais. E agora, a Morte se lembraria que um dia havia sido mortal. E que nem mesmo ela seria eterna.

 

quote 4

 

 

 

 

 

 

 

 

A Morte foi arrogante e se esqueceu dos avisos do passado. Agora, temos duas opções: pagar o mesmo preço por seu erro ou assumir a responsabilidade.

Minha escolha já foi feita.

 

Quote 5

 

 

 

 

 

 

 

 

 Sim, podemos deixar que os vampiros se enfrentem. Mas vocês estão se esquecendo de um pequeno detalhe…

Os vampiros não são a ameaça real.

 

quote 6

 

 

 

 

 

 

 

 

 Eu sei quando alguém está tentando se aproximar de mim.

E a vida me ensinou que as pessoas só se aproximam das outras quando querem alguma coisa.

 

  •  Booktrailer

Está quase se convencendo a ler o livro? Tenho mais um ultimato:

O booktrailer que você confere clicando aqui.   Particularmente, ele está incrível!

 

  • Sinopse do Conto A Revelação:

Antes de escrever o livro, a autora escreveu um conto situado no mesmo mundo! Que tal dar uma conferida?

 

A RevelaçãoE se o que você pensa ser fantasia fosse real?

Por muito tempo, os seres sobrenaturais esconderam sua existência. O avanço da tecnologia destruiu o segredo, e eles foram obrigados a revelar que não eram apenas fruto da imaginação. Mas o Outro Mundo não estava preparado para a reação da humanidade – e para o que logo se transformou em uma verdadeira caçada.

 

 

 

 

 

 

  • Convite:

Tenho dois convites para você!

1) Participe do lançamento virtual no Facebook!Banner Lançamento

https://www.facebook.com/events/901204356572973/?notif_t=plan_user_joined

 

 

bannerbooktour Participe do BookTour!

https://docs.google.com/forms/d/1btBD4pPSrzKfVOPCXxNzQqg4rm1vqHaICZl0QHEtkEE/viewform

 

 

 

É isso gente! Espero que se motivem a ler o livro, pois eu já me motivei! Mal posso esperar para ter meu exemplar em mãos 😀

 

Até a próxima!

Resenha: Jesse Chesnutt e o Mistério do Planeta T12

Oe :p

capa

Jesse Chesnutt e o Mistério do Planeta T12

de Leonardo Faig, 199 páginas

Editora Novos Talentos Da Literatura Brasileira (Selo da Novo Século) , 2013

ISBN: 978-85-7679-921-4

Milton, Flórida. 20 de abril de 2012. Uma data fatídica na vida de muitas pessoas. Dentre elas, os membros da família Kirk, que subitamente sofrem ataques de pessoas que, infectadas por um misterioso vírus, se tornam criaturas agressivas. Sedentos por sangue, os infectados invadem casas, destroem lojas e causam caos na cidade.

Jesse é um dos sobreviventes desse aterrador acontecimento e consegue fugir das criaturas. No caminho, encontra Kevin e Brian, também determinados a sobreviver, e juntos, munidos de armas e de uma Ferrari, partem em busca de respostas e de uma possível cura.

Porém, estes acontecimentos podem ser o estopim de algo muito maior que está por vir. E o misterioso planeta T12 pode ser a grande chave para desvendar esse terrível vírus.

E sim, o nome do personagem principal não é Jesse Chesnutt, mas sim Jesse Kirk. Você vai descobrir o motivo no final do livro.

Como qualquer bom livro de zumbis… não pera. Não são zumbis. No livro inteiro, eu não li a palavra “zumbi” em página alguma. Os monstros são os terríveis “Infectados”, um novo que defende uma das teses do que causaria um Apocalipse Zumbi: a humanidade infectada por um vírus misterioso.

Se algo resume esse livro, são duas coisas: número excessivo de pontos finais e mistério. Poderiamos dizer que ele é meio óbvio, mas essa coisa obvia é boa: é uma coisa óbvia como O Código Da Vinci, algo que ninguém esperava.

Não sou um especialista em zumbis, e este foi meu primeiro livro do gênero. E o melhor: ele é nacional. Muitas pessoas perderam o preconceito com livros nacionais, e esse livro com certeza ajuda bastante, bem como outros autores.

O Jesse cresce durante o livro. No começo, ele é apenas um menino de 18 anos chorão. Mas depois, ele pode, com certeza, ter liderado o grupo. Ou lidera.

Algo em que tem em Apocalipse Zumbi e que o livro deixou fiel: a guerra entre os grupos sobrevivente. Parabéns ao autor, isso é ótimo (apesar de superlegal ele ter deixado isso e tal, eu sempre achei idiota isso. Se so houvesse poucos humanos na Terra, eu iria criar um abrigo ou separar eles, mas que eles ajudassem uns aos outros sem guerras e talz. Isso é minha opinião, e pode ser um lixo porque eu não entendo nada sobre zumbis :p)

Eu gostei do livro ser curtinho, sabe? Ele desenvolveu muito bem o tema em apenas 200 páginas!

Quanto à parte, física, tudo ok! Não me lembro de erros de português, a capa é linda, e atrás tem uma imagem do vírus.

OK, ficou em dúvida? Sim, eu adorei o livro e estou esperando pela continuação, que só vai lançar ano que vem 😮 (Hashtag: #LeonardoLançaJesseChesnutt2 , já que não tem o nome do segundo livro.)

E últimos recados: o segundo livro não vai aparecer os outros personagens. Vai ser um livro que conta da história do Planeta T12. Sera que vai ser legal (eu já li a história dos Hobbit’s e depois eu desisti de ler O Senhor Dos Anéis. Mas realmente, a história dos Hobbit’s era chata. Me julguem.) ? E último recadinho: O Leonardo Faig vai estar na XVI Bienal do Livro RJ , nos dias 5 e 6! Quem tiver a chance, vá lá e converse com ele. Eu não vou porque moro em SP 😥 .

Página Oficial do Livro: https://www.facebook.com/JesseChesnuttT12?fref=ts

OBS: Eu vi sobre o livro no Cabine Literária! :3

~~MOMENTO SPOILER~~

Apenas existe uma coisa no livro inteiro que ele poderia ter explicado melhor, que foi a cura para o vírus. Ela foi simplesmente jogada do céu para a história. Acho que poderia ter ficado mais explicadinho, pelo menos algo bem basicão, se não atrapalharia a história. Mas isso é a única coisa que realmente me incomodou no livro inteiro!

Bye!