HQ! Sandman: Os Caçadores de Sonho, de Neil Gaiman e P. Craig Russel

Gente, vocês vão se surpreender com essa resenha. Sério mesmo

Mas antes: já curtiu a página no facebook do blog?

 

Sandman Os caçadores

Sandman – Os Caçadores de Sonhos

Neil Gaiman e P. Craig Russel, 2011

Editora Vertigo (Panini Books)

O mundo era diferente no antigo Japão. No passado, criaturas mitológicas e lendas andavam sobre a terra, nadavam pelo mar e cruzavam o ar. Alguns seres eram gentis, outros cruéis. Alguns eram selvagens e outros, a muito custo, podiam ser domesticados. E então uma astuta raposa apostou que faria um humilde jovem monge perder a guarda de seu templo – mas acabou perdendo o próprio coração. E então um mestre demoníaco cobiçou a força daquele monge e decidiu roubar para si a vontade férrea que ele tinha em seu interior – a qualquer custo. E então o Rei dos Sonhos viu-se intervindo em favor de um amor que nunca deveria ter acontecido.

 

E ENTÃO ACONTECEU ALGO QUE EU DUVIDARIA QUE ACONTECERIA: EU GOSTEI DE UMA OBRA DO NEIL GAIMAN.

Quem acompanho o blog sabe o quanto eu tenho birra com Neil Gaiman, já que não vi nada de especial em Coraline e muito menos em Mistérios Divinos (essa última também com P. Craig Russell), mas isso tudo mudou com Os Caçadores de Sonhos. Sandman é considerada uma das melhores HQs, e eu já queria ler a algum tempo, e então, decidi começar com esse spin-off.

A primeira coisa que eu queria ressaltar é que criaram toda uma campanha em volta desse conto/HQ (como Mistérios Divinos, era um conto) de que ele era baseado em uma lenda japonesa. E, afinal, ele não tem nada de lenda japonesa! O Neil Gaiman criou uma narrativa muitíssimo bem-feita com elementos de lendas, que se eu não tivesse visto no livro que não era uma lenda, eu viveria achando que era realmente uma lenda de verdade.

Só isso dá para ter uma ideia de como a HQ está, mas acho bom reforçar que a narrativas está excelente, e os personagens foram muito bem desenvolvidos. A história te cativa e te prende, além de te dar uma certa nostalgia de ler contos de fadas e fábulas.

O P. Craig Russell fez um trabalho excelente na adaptação. Os desenhos são lindos, e as cores utilizadas são de um tom pastel, que eu particularmente gostei bastante.

E é isso! Eu adorei a HQ, e com certeza vou buscar mais obras do Sandman para ler. E finalmente li algo do Neil Gaiman que eu realmente gostei!

 

Obrigado por ler até aqui! Até mais o/

 

HQ! Mistérios Divinos, de Neil Gailman & P. Craig Russel + Algumas Desculpas

Hey minna! Sinto muito não ter resenha essa semana, mas realmente, sabe aquele livro que você pega e não aguenta continuar? Aquele livro que uma hora é chato, depois fica muito bom, depois fica chato novamente, ai acontece algo para ficar bom, mas não fica? Pois é. Esse não é um livro nem um pouco exemplar. (ops, spoiler da resenha) Mas, em compensação, semana que vem eu vou tentar postar duas resenhas \o/

 

misteriosdivinos_devir  Mistérios Divinos

conto original por Neil Gaiman, desenhado por P. Craig Russelll, 2007

Devir Livraria, selo Dark Horse Comigs

Mitos…

Anjos…

Assassinato…

Pela aparência do homem solitário sentado no banco do parque, ninguém jamais imaginaria suas origens – um antigo anjo, descido dos céus eras atrás. Ela apareceu na Terra para contar uma história que deve ser ouvida – uma história dos primórdios do tempo, quando o mundo ainda era um traçado aos olhos de Deus, e o pecado ainda não era conhecido, e do primeiro e mais execrável crime no recém-desabrochado universo do Criador.

Primeiramente, esse não é o primeiro trabalho do Neil Gaiman que eu li. Já li Coraline anteriormente (faz exatamente um ano, pois li para o Mês do Horror! haha), e já digo que não gostei. Não digo que é ruim, é um livro legal, na verdade, mas comecei a lê-lo com uma expectativa gigantesca e me decepcionei bastante. Mudei de formato para a HQ e fui ler Mistérios Divinos por puro interesse, sem recomendação nenhuma, e fui com a mesma expectativa que tive para Coraline, mas com uma malinha do preconceito atrás, e a malinha se abriu e a expectativa acabou. Não gostei novamente. Mas a culpa também não é minha. Tanto em livros, como O Oceano no Fim Do Caminho, ou em HQ, como Sandman e Coisas Frágeis, Neil Gaiman é elevado como um ótimo escritor, mas eu simplesmente não consigo me render a ele. Mas admito que as duas obras dele que eu li são obras muito boas, mas o motivo de eu não ter gostado é totalmente por gosto.

A HQ é baseada em um conto em que eu infelizmente não tive a oportunidade de ler, mas ele se encontra no livro Fumaça e Espelhos – Contos e Ilusões, que você pode adquiri-lo na Saraiva clicando no nome (e eu estou divulgando e não estou recebendo nada! Sou expert em publicidade)

Essa é uma das primeiras HQ’s que eu li em cores, e até que gostei da experiência. No começo, a HQ tem cores vivas, e conforme ela avança, as cores vão ficando mais escuras. Algo bem interessante, é que na metade da HQ, quando a história do tal assassinato no Paraíso começa a ser realmente contada, a HQ volta a ter suas cores vívidas, e vai escurecendo novamente, então volta para as cores vivas, e termina com o escuro, o que eu achei um efeito bem legal. A HQ acaba com um balanço bem interessante de preto e branco mais acizentado. A mudança, mais na parte na história que dá título, mostra o quanto nós vamos descobrindo mais o lado negro do Paraíso que, no começo, nos é apresentado como lugar perfeito, mas que podemos ver que nem tudo que reluz é ouro.

O mais legal da história é que o autor colocou como personagem o Lúcifer, que aposto que todos devem conhecer sua história. Colocando esse personagem, logo imaginamos que ele é o culpado por tudo isso, pelo simples motivo de, na mitologia original, ele ser o tal do anjo caído e que logo depois começou a representar todo o mal, e que faz tudo sem motivo, por diversão. Mas logo descobrimos que tudo tem um motivo, e nós podemos o entender o personagem*. Fiquei sabendo que ele ele aparece em outras obras do Neil Gaiman, então, acredito que ler Mistérios Divinos irá ajudar muito mais na compreensão do personagem.

Além do próprio Lúcifer, a grande maioria dos personagens foram muito bem aprofundados para um HQ tão pequena. Não temos dúvida de como e qual o motivo de tudo ter acontecido. Os autores realmente trabalharam muito bem nesse quesito. Não sinto falta disso em momento algum, está em perfeita sincronia com a história, que também flui muito bem.

A edição é bem bonita e a Dark Horse fez um ótimo trabalho. A capa dura é bonita, mas simples, e a contracapa também. A folha é uma folha normal de quadrinho, por isso, bem confortável de ser lido. Não vi nenhum erro, tanto de impressão, acabamento ou erro ortográfico.

 

 

 

Obrigado por ler até aqui!

Confira minha última resenha: A Torre Acima do Véu

Meu último HQ!: Três Sombras

 

*Não estou falando do contexto religioso.